Blogues JN Redes
 

As nossas escolhas

Obras em

Destaque

Resultados por tag: Ensaio Estrangeiro

Iconoclastia dos oráculos falhados

19

Maio

2011

Publicado por elmanomadail às 9:00
0 comentários

Elmano Madail

 

Não se trata de uma tese, tampouco de um manifesto, mas antes um libelo sarcástico em relação à ditadura da economia, prenhe de dogmas, não obstante pretender ser uma ciência. Diz António Baños Boncompain: "Uma vez que se trata de um conhecimento vagamente sistemático e profundamente esotérico, que umas vezes acerta e outras não, e que encontra uma explicação plausível para qualquer resultado que se produza, não é assim tão grande a diferença entre um economista e um astrólogo. De facto, a economia podia ascender à categoria de 'ciência' se ficasse limitada ao segmento da ciência forense. Porque elucida muitas vezes de que morreu o indivíduo, mas poucas vezes acerta no que é necessário para salvá-lo". E conclui: a economia "é, tecnicamente, uma lenga lenga", cujo grande problema "é manter, mau grado erros terríveis, uma reputação de credibilidade imperturbável".

 

Este é o tom geral do opúsculo intitulado "A economia não existe", embora, como sublinha o autor, os seus efeitos sejam bem reais, principalmente sobre os mais pobres, nas crises que ciclicamente gera para potenciar lucros aos mesmos de sempre. Ora, a economia é uma narrativa de teor mitológico, que tem os seus oráculo – os quais, como o de Delfos, jamais se comprometem nas previsões, antes se comprazem com diagnósticos inúteis – e os sacerdotes, os economistas, que se exprimem por uma linguagem própria, exclusiva, cujo fito será tornar-se incompreensível ao comum dos mortais e, assim, legitimar a deferência perante os que dominam tal código. Estranho e, quase sempre, inconsequente, porque desmentido pela realidade. E não faltam exemplos, de que Boncompain se encarrega de fornecer ao longo dos capítulos, breves mas incisivos, que compõem esta obra iconoclasta.

 

TÍTULO: A economia não existe

AUTOR: António Baños Boncompain

EDITORA: Guerra & Paz

Cristo e o fascínio do Che judaico

27

Abril

2011

Publicado por elmanomadail às 9:00
0 comentários

Elmano Madail

 

O fascínio que Jesus Cristo exerce há séculos transcende o universo de acólitos. Muitos, que nele só reconhecem o legado ético de um revolucionário singular, não resistiram a interrogar-se sobre a improbabilidade de um judeu pobre ter marcado, tão decisivamente, o imaginário da Humanidade. Foi o caso de Paul Verhoeven.

 

O realizador holandês, autor de êxitos como Robocop (1987) ou Instinto Fatal (1992), interrogou-se sobre Cristo desde tenra idade, interesse que cultivou ao longo dos tempos, pesquisando para um filme biográfico. Dali resultaram vários apontamentos, ensaios produzidos durante a participação no Jesus Seminar, na Califórnia, que congregou teólogos, filósofos linguístas e exegetas da Bíblia. Verhoeven, talvez pela sua formação de matemático e contaminado pela profissão que exerce, centrou-se no lado humano de Cristo e em certas cenas do Novo Testamento, questionando as suas narrativas míticas e a alegada dimensão divina de Jesus (que Verhoeven nega, antes o apresentando como um cultor da violência para alcançar objectivos).

 

Esses ensaios foram reunidos nesta obra, Jesus de Nazaré, que apresenta hipóteses eminentemente polémicas mas tão pertinentes como todas as demais. Se, entre elas, avulta a possibilidade de a concepção de Cristo ter resultado da violação de Maria por um soldado romano durante a perseguição aos judeus da Galileia, a mais interessante será, porém, a análise política da paixão de Cristo. Para Verhoeven, a morte de Jesus era crucial ao planos políticos de Pedro, na medida em que a afirmação do Cristianismo dependia do martírio do líder carismático.

 

Enfim, uma obra muito clara e deveras interessante, mas que menoriza, talvez em demasia, a dimensão espiritual de Cristo.

 

TÍTULO: Jesus de Nazaré

AUTOR: Paul Verhoeven

EDITORA: Guerra & Paz

PREÇO: 19.90 €

Fantasias verídicas

15

Abril

2011

Publicado por Sergio_Almeida às 13:43
0 comentários

Sérgio Almeida

 

Marcel Schwob (1867-1905) alcançou a imortalidade literária sem jamais se desviar dos seus rígidos princípios estéticos. Talvez por isso, como escreveu Jorge Luis Borges, "escreveu deliberadamente para poucos", ciente de que o seu talento seria celebrado durante longos anos, como veio a suceder.

 

Vidas imaginárias, um dos seus livros mais profícuos, desenha-se sob um mote estimulante: a partir de biografias reais, Schwob acrescenta-lhe dados fantasiosos que, no entanto, não soam inverosímeis. O que motiva o autor de Coração Duplo é, acima de tudo, a criação de uma realidade paralela que encaixa, como que por milagre, nos rígidos dados oficiais que compõem a biografia da galeria de retratados, formada por corsários, piratas, assassinos ou poetas raivosos.

 

Assim, os múltiplos espaços em branco ("a ciência histórica deixa-nos na incerteza quanto aos indivíduo. Só nos revela os pontos por onde foram presos aos actos gerais", escreve o próprio autor no prefácio) são preenchidos como se de romances reais se tratasse, repletos de um conjunto de vicissitudes que, embora não tenham ocorrido, poderiam perfeitamente ter tido lugar.

 

TÍTULO: Vidas imaginárias

AUTOR: Marcel Schwob

EDITOR: Assírio & Alvim

PREÇO: 17 euros

História da Filosofia sem medo nem pavor

11

Abril

2011

Publicado por elmanomadail às 14:39

Sinopse (da editora): Ao ouvir falar de Filosofia, muitas pessoas assustam-se, e algumas começam logo a tremer: a Filosofia? O que é isso? De certeza que não é para mim! Estão errados, porque as perguntas básicas da Filosofia todos as fizemos alguma vez: tratam da morte, da verdade, da justiça, da natureza, do tempo… Fazer filosofia não é senão reflectir sobre a nossa humanidade. Mas… quem foram os grandes filósofos? Pessoas como nós, inquietas ao longo dos séculos pelas mesmas coisas que nos incomodam agora. A sua História é um relato de aventuras racionais, de genialidade e inteligência, onde não faltam perseguições, calabouços, martírios e também descobertas surpreendentes. Este livro pretende apenas contar com simplicidade e não com pedantismo, para que, quem leia, desfrute sem medo nem pavor da sua emoção intelectual… e possa continuar a pensar por si próprio.

 

Autor: Fernando Savater é filósofo, ensaísta e escritor. Dedicou grande parte da sua vida a ensinar nas mais prestigiadas universidades, tentando sempre cultivar o gosto dos mais jovens pela Filosofia. Os seus livros foram escritos com o objectivo de que todos, dos adolescentes aos mais crescidos, percam o medo e enfrentem as questões filosóficas. E não é que conseguiu?

 

TÍTULO: História da Filosofia Sem Medo Nem Pavor

AUTOR: Fernando Savater

EDITORA: Planeta

PREÇO: 17,75 €

As M*rdas Que o Meu Pai Diz

10

Abril

2011

Publicado por elmanomadail às 12:48

Sinopse (da editora): M*rdas Que o Meu Pai Diz traça o retrato da relação entre pais e filhos e aborda os maiores temas da vida: o medo, a amizade, os estudos, o amor, o desporto, a ambição e a família. Uma lição de integridade, amizade e amor: do Twitter (com mais de dois milhões de seguidores) para as livrarias, um livro que está há um ano na lista de best-sellers do New York Times. Adaptado para a televisão, a série, que se estreou em Novembro de 2009 na estação de televisão americana CBS, chega a Portugal a 30 deste mês, pelo canal por cabo Sony Entertainment.

 

"Eu sei o que é o Twitter, raios. Falas comigo como se eu não soubesse *** nenhuma. Eu sei o que é. Tens de ligar a Internet para entrar no Twitter – respondeu ele, fazendo o gesto universal de girar uma chave na ignição ao dizer as palavras 'ligar a Internet'". Aos 28 anos, depois de ser abandonado pela namorada, Justin Halpern vê-se na obrigação de voltar a viver em casa dos pais… e de partilhar o seu espaço com o pai de 73 anos, Sam Halpern, possivelmente o homem mais maldisposto do mundo. Usando a vocação de escritor e guionista, Justin começa a registar a ironia contida nos desabafos, conselhos e, por vezes, nos berros furiosos do pai. Criou uma página no Twitter para partilhar com os amigos estas pérolas – e, em pouco tempo, a página tinha centenas de milhares de seguidores! Hoje em dia já conta com mais de dois milhões. Este fenómeno da Internet deu origem a um dos best-sellers do ano e um dos livros mais engraçados dos últimos tempos. Tendo por base as pérolas do pai, o filho recria brilhantemente alguns momentos da sua infância e juventude. Um livro extremamente divertido e inspirador.

 

Alguns registos do pai:

"Jogaste muito bem, jogaste mesmo. Estou orgulhoso. Infelizmente, a tua equipa é uma ***. (...) Não, não podes zangar-te com as pessoas só porque são merdosas. A vida encarrega-se disso, não te preocupes".

 

"Não me parece que aquela professora goste de ti, por isso não gosto dela. Estás sempre a inventar merdas, mas és um bom miúdo. Ela que se foda".

 

"Lamento, mas se o teu irmão não quer que brinques com as porcarias dele, não podes brincar. As porcarias são dele. Se ele quer ser um idiota e não partilhar, está no seu direito. Temos sempre o direito de sermos idiotas... Só não devemos usá-lo muitas vezes".

 

"Muito bem, sorri enquanto desembrulhas a prenda. (...) Não, sorri e olha para a câmara, idiota".

 

"Vais encontrar alguns idiotas, e é importante que tenhas presente que o que importa não é o tamanho do couro deles, mas sim a *** que fazem".

 

"Tens bons amigos. Gosto deles. Acho que não iriam para a cama com a tua namorada, se tivesses namorada".

 

"Primeiro o mais importante: um carro tem cinco mudanças Que cheiro é este? (...) OK, uma coisa ainda mais importante: peidares-te num carro parado faz de ti um idiota".

 

"Vamos jantar peixe. (...) Como queiras, vamos votar. Quem quer peixe para o jantar? (...) Pois é, a democracia perde a piada quando te lixa, não é?"

 

"Podes fazer o que quiseres. Mas eu também posso. E o que eu vou fazer é dizer a toda a gente que a tua tatuagem é mesmo estúpida".

 

"Nunca é a altura certa para se ter filhos, mas é sempre boa altura para se ir para a cama. Deus não é idiota. Sabe como as coisas funcionam".

 

Autor: Justin Halpern foi fundador do site de comédia HolyTaco.com e colabora com a Maxim.com. Criou a página de Twitter "*** My Dad Says", que tem quase dois milhões de seguidores, e colaborou com a CBS na criação de uma comédia televisiva baseada na página. Vive em Los Angeles mas passa grandes temporadas em casa dos pais, em San Diego. Pode ser acompanhado aqui e aqui.

 

TÍTULO: As M*rdas que o meu pai diz

AUTOR: Justin Halpern

EDITORA: Pergaminho

PREÇO: 13,90 €

Para leitores apressados

05

Abril

2011

Publicado por Sergio_Almeida às 13:21
0 comentários

Sérgio Almeida 


As boas ideias também têm um prazo de validade. A sequela do divertido 99 clássicos da literatura para pessoas com pressa, publicado pela Presença no ano passado, prova-o da forma mais ingrata possível para o leitor: enquanto esse título, que revisitava romances marcantes de todos os tempos, constituía um exemplo feliz de como a hilaridade também pode surgir através de obras despretensiosas, o novo livro da série não proporciona mais do que uns sorrisos forçados.

Antes de mais, porque a originalidade inicial não sobreviveu à repetição da fórmula. Por muito inspirado que fosse o conceito inicial – sintetizar obras históricas em escassas vinhetas e doses fartas de humor –, replicar a mesma estratégia sem introduzir alterações significativas revela-se um erro crasso. Inventivos e soltos no livro anterior, os textos de Thomas Wngelewski estão longe de atingir a mesma bitola nesta incursão cinematográfica em versão resumida.

Salva-se, pelo menos, a criteriosa selecção dos autores, bem evidente na escolha de filmes incontornáveis, como Psico, Laranja mecânica, O Mundo a seus pés, Ladrão de bicicletas ou O grande ditador.
 

TÍTULO: 99 clássicos do cinema para pessoas com pressa

AUTOR: Thomas Wengelewski

EDITOR: Presença

PREÇO: 10 euros

Os livros como condição primordial da existência

04

Fevereiro

2011

Publicado por Sergio_Almeida às 15:12
0 comentários

 Sérgio Almeida 

 

Até ao fim dos seus dias, mesmo quando já estava coberto de glória, Hermann Hesse nunca deixou de ser um leitor constante. Mais significativo ainda: nunca deixou de estar receptivo a outras influências e propostas, numa prova de humildade que nunca teve tantos seguidores como isso no meio literário.

 

Nesta dúzia de narrativas breves sobre a literatura, Herman Hesse prova, sem paternalismos à mistura, que os livros e a vida não estão de costas voltadas, como tantos insistem em fazer crer. Pelo contrário. Influenciam-se e contaminam-se mutuamente, tão próximos acabam por revelar-se.

 

A impressionante manifestação de amor pelos livros que constitui Uma Biblioteca da Literatura Universal deve-se antes de mais ao facto de Hesse, o gigante da literatura distinguido com o respectivo Nobel, ter dado lugar nesta obra ao leitor devoto e humilde, ciente de que só as múltiplas leituras construídas ao longo dos anos ajudaram a formar e a completar a sua visão do Mundo. "Quem lê os livros como se ouvem os amigos verá como esses revelarão os seus tesouros e se tornarão para ele uma posse íntima”.

 

Retirados do volume original Hermann Hesse: Obras Completas – ensaios sobre literatura I, os textos abrangem um arco temporal largo (de 1907 a 1945), mas a condição de leitor empenhado e devoto não sofreu alterações de maior com o decorrer dos anos. Quando muito, detecta-se apenas uma maior lucidez nos escritos mais tardios, sem que tal juízo tenha provocado uma perda de entusiasmo. Aliás, é um Hesse já no declínio da existência que confessa que "se fosse um bocado mais novo e as forças me bastassem, eu hoje não faria outra coisa senão editar e publicar livros". Uma obra envolvente que nasce do amor pelos livros.

 

TÍTULO: Uma Biblioteca da Literatura Universal

AUTOR: Hermann Hesse

EDITOR: Cavalo de Ferro

PREÇO: 14.80 €

Secretariat - A Incrível História do Cavalo Mais Veloz de Todos os Tempos

11

Janeiro

2011

Publicado por elmanomadail às 8:22

SINOPSE (da editora): Secretariat – A Incrível História do Cavalo Mais Veloz de Todos os Tempos, livro que serve de base ao filme da Disney, chega às livrarias com a chancela da Guerra & Paz. O livro está disponível a partir de 24 de Janeiro e o filme tem estreia marcada para 3 de Fevereiro, nos cinemas da Lusomundo. Estávamos em 1973, num tempo em que o mundo das corridas de cavalos era totalmente dominado pelos homens. Penny Chenery, uma simples mãe e dona de casa, enfrenta tudo e todos e torna Secretariat no maior cavalo de corridas de todos os tempos. Secretariat consegue o impensável: vence a Tríplice Coroa, é capa da Time, da Newsweek e da Sports Ilustrated na mesma semana, e torna-se o único animal a figurar na lista dos 50 Maiores Atletas do Século da ESPN. Uma história mágica e empolgante que é a história de força e coragem de cada um de nós.

 

AUTOR: William Nack escreveu durante vários anos para as revistas Sports Ilustrated e GQ, tendo ganho sete Eclipse Awards com os seus trabalhos. É autor de vários livros, dos quais se destaca Sporting Life. Participou activamente na adaptação para cinema do seu livro Secretariat.

 

TÍTULO: Secretariat – A Incrível História do Cavalo Mais Veloz de Todos os Tempos

AUTOR: William Nack

EDITORA: Guerra & Paz

PREÇO: 19,50 €

Cretinos com Poder

04

Janeiro

2011

Publicado por Sergio_Almeida às 18:14

Sinopse (da editora): Lutar contra os cretinos é uma missão impossível. Se esses têm poder são demolidores. Diego Armario conhece os bastidores do poder como poucos e descreve situações, por vezes absurdas, em diferentes contextos: o poder na vida política, o poder na vida profissional e o poder nas relações interpessoais e familiares. O livro certo para os leitores que se queiram divertir com as muitas situações caricatas provocadas por quem tem poder e não devia, sem esquecer os outros - os que obedecem. Não recomendável a leitores que apreciam o politicamente correcto.

 

Autor: Licenciado em Ciências da Informação pela Universidade Complutense de Madrid, onde estudou Psicologia, Diego Armario é autor de La España de los años 50 a través de Bardem y Berlanga, El Triángulo: el PSOE durante la transición, La muerte de un Señor de Quinta (finalista do Prémio Fernando Lara, em 2003), La Hora Cero (Almuzara, 2005), Universo Alzheimer e Los tontos com poder (Almuzara, 2006). Actualmente, além de colaborar em vários meios de comunicação, participando em tertúlias radiofónicas e conferências, é professor na Universidade San Pablo CEU e membro do grupo de Comunicação da Unesco em Espanha. Foi Director da Rádio Nacional de Espanha. 

 

TÍTULO: Cretinos com Poder

AUTOR: Diego Armario

EDITOR: Arcádia

PREÇO: 18

Break it Down - Demolição

28

Dezembro

2010

Publicado por Sergio_Almeida às 18:24

Sinopse (da editora): Ex-mulher de Paul Auster, Lydia Davis escreve muitas das 34 crónicas que compõem este livro a seguir ao divórcio. Feminista convicta arrasa o género masculino, mas o ódio destilado em alguns dos textos parece dirigir-se implicitamente ao ex-marido. As crónicas são poderosas, fazendo jus ao estilo inconfundível de Davis: mensagens veladas, acutilantes, breves e surpreendentes. Esta é mais uma obra talhada para se tornar um ícone do feminismo. Break it down - Demolição é, de acordo com o New York Times, "um ícone da recente literatura universal, um manifesto decisivo da escrita feminina, uma súmula definitiva da moderna guerra dos sexos".

 

Autor: Lydia Davis nasceu em 1947. Aclamada pela forma acutilante e concisa com que escreve os textos - algumas das suas histórias podem ter apenas uma ou duas frases -, varia entre os géneros filosófico, poético ou ficcional. Davis, além da ficção, traduz ainda obras de Proust, Blanchot, Foucault, Michel Leiris, entre outros francófonos. Tem sido distinguida com inúmeros prémios, como o National Book Award Fiction Finalist e o PEN/Hemingway Award Finalist. O Governo francês atribuiu-lhe a comenda da Ordem das Artes e da Literatura.

 

TÍTULO: Break It Down - Demolição

AUTORA: Lydia Davis

EDITORA: Ulisseia

PREÇO: 19,50 €

Uma obra nascida do amor pelos livros

02

Dezembro

2010

Publicado por Sergio_Almeida às 19:55
0 comentários

Sérgio Almeida 

 

Os bibliófilos são os verdadeiros protagonistas deste curioso ensaio da autoria do editor e tradutor (e bibliófilo inveterado, já agora...) Jacques Bonnet. Se o leitor é um dos seres que raramente dorme em sossego porque teme que a sua biblioteca, cuja dimensão escapou já totalmente ao seu controlo, desabe sobre a sua cabeça durante o sono, Bibliotecas cheias de fantasmas é o livro indicado para si.

 

A tese de Bonnet, considerado um dos maiores especialistas na matéria, é simples: os livros são seres vivos concebidos à imagem da nossa complexidade interior. Por isso, o modo como arrumamos um simples livro – catalogando-o de acordo com o género, autor ou nacionalidade – diz muito sobre nós e o modo como concebemos as coisas.

 

O autor fornece um conjunto de dicas valiosas sobre as melhores formas de conferir alguma ordem ao caos que representa qualquer biblioteca. Surpreendentemente, não defende uma arrumação específica: "(...) A solução que defendo – o que é idiota, porque os possuidores de enormes bibliotecas já têm o seu princípio de arrumação, enquanto os outros não têm como a aplicar – é a mistura de vários tipos de ordenação, aplicando com grande latitude as regras que uma pessoa decidiu impor-se. Creio aliás que este é um princípio que se pode estender à vida em geral!".

 

TÍTULO: Bibliotecas cheias de fantasmas

AUTOR: Jacques Bonnet

EDITOR: Quetzal

PREÇO: 14.50 euros

Cozinha-me

29

Novembro

2010

Publicado por elmanomadail às 1:42

Sinopse (da editora): Simples e curioso, divertido e amargo, sensual e profundo - Cozinha-me é um livro capaz de transformar em histórias da vida os prazeres da cozinha e do amor. Contos e conselhos para preparar refeições com segundas intenções, com tudo o que é necessário para além da receita propriamente dita: os diálogos possíveis de entabular, as pequenas provocações e a comida como interlúdio. Um livro que intercala cenas de alta tensão erótica com cenas de alta gastronomia, e onde sabores e amores se complementam de uma maneira perfeitamente inesperada.

 

Autor: Annamaria Tedesco é formada em música e doutorada em Filosofia. É autora de várias peças de teatro, novelas e contos. Também realiza curtas-metragens, filmes publicitários e programas infantis.

 

TÍTULO: Cozinha-me

AUTOR: Annamaria Tedesco

EDITORA: Arcádia

PREÇO: 17.00 €

Um Roteiro para o Mundo das Maravilhas

28

Novembro

2010

Publicado por elmanomadail às 9:10
0 comentários

Elmano Madail

 

"Acabei de ler este notável e belíssimo livro, e tenho boas e más notícias a dar: a má é que há mais coisas fantásticas para ver no Mundo do que aquelas que alguma vez poderá aspirar a ver. Lamento, mas não vai viver tempo suficiente para tal. A boa notícia, no entanto, é que há mais coisas fantásticas para ver no Mundo do que aquelas que alguma vez poderá aspirar a ver", garante Bill Bryson no prefácio à obra Viagens – Os Lugares Menos Visitados, editada pela Civilização e cuja qualidade, gráfica e textual, é garantida pela chancela original, a Dorling Kindersley (DK).

 

O livro, monumental em todas as dimensões, foi estruturado em nove secções cujos títulos, se combinados ao original – 1000 Locais Fascinantes Fora das Rotas Turísticas – denunciam um programa de visitas fantásticas (no rigor semântico de que ficarão, quase todas, limitadas à fantasia…) a fazer, comparando as sugestões com os destinos turísticos mais massificados: Locais Antigos e Históricos; Festividades e Festas; Viagens Fabulosas; Maravilhas Arquitectónicas; Maravilhas Naturais; Praias; Desportos e Actividades; Arte e Cultura e Cidades.

 

Tratando-se de um table-book, há o claro privilégio da foto – elucidativas das maravilhas, naturais e construídas, que o Planeta alberga –, reduzindo o texto a brevetes de extensão variável. E aqueles, embora lacónicos, sumariam a História local, a localização geográfica e os humores climáticos, convidando à demanda por informação suplementar em obras vocacionadas para o efeito.

 

Não esta; Viagens – Os Lugares Menos Visitados é só um convite, com a elegância que convém, a descobrir mais Mundo para lá daquele que os folhetos turísticos inventam, vendendo-os como se houvesse algo de genuíno hum resort impessoal. Com este livro, vamos mesmo para fora cá dentro (e cá ficando, infelizmente).

 

TÍTULO: Viagens – Os Lugares Menos Visitados

AUTOR: Bill Bryson (prefácio)

EDITORA: DK-Civilização

PREÇO: 35 €

Libelo de Um Conservador "anti-neo"

14

Novembro

2010

Publicado por elmanomadail às 10:08
0 comentários

Elmano Madail
 
O britânico Andrew Sullivan, polémico politólogo sobejamente conhecido nos EUA e que se reclama da tradição conservadora anglo-americana, diz que aquela está confrontada com uma vasta e ameaçadora crise. Interna. Verificável, diz, nos aumentos graduais das despesas – e dívidas – estatais promovidas por governos conservadores que, ainda por cima, se intrometem na vida privada, como no caso da regulação matrimonial ou da eutanásia, entrando na esfera da biopolítica, tal como foi definida por Michel Foucault. Ora, diz Sullivan, isto contraria o conservadorismo, tradicionalmente defensor de um governo limitado, de orçamentos equilibrados e do primado da Lei.
 
O editor da revista New Republic e colunista da Atlantic Monthly, que apoiou George W. Bush, nas eleições presidenciais norte-americanas de 2000 contra o democrata Al Gore, mas rejeitou, desiludido com a "deriva neoconservadora", a recandidatura do primeiro contra John Kerry, divide o conservadorismo actual em duas facções rivais: por um lado, o "conservadorismo  fundamentalista", e, por outro, "conservadorismo" – apenas, (puro...). E se têm elementos comuns, como a desconfiança face à mudança e denodada fé na sabedoria herdada do passado, a abordagem do "conservadorismo fundamentalista" é radicalmente diferente pelo que comporta de religioso.
 
Para Sullivan, os neoconservadores adoptaram um conjunto de doutrinas religiosas (evangélicas, nos EUA) como meio para compreender, e governar, um mundo já sem utopias seculares (comunismo), pecado maior dos republicanos prosélitos de Bush e que Sullivan apodou de "cristianismo socialista".
 
Uma obra interessante, pois, e clara na exposição do argumentário, é certo; mas talvez demasiado agarrada à era Bush.


TÍTULO: A Alma Conservadora

AUTOR: Andrew Sullivan

EDITORA: Quetzal

PREÇO: 21,95 €

Memórias de George W. Bush chegam amanhã às livrarias

08

Novembro

2010

Publicado por elmanomadail às 14:47

O ex-presidente dos EUA, George W. Bush (2001-2009), regressa amanhã à cena pública com o lançamento de um aguardado - embora pouco surpreendente - livro de memórias. As 481 páginas de Decision Points (Pontos Decisivos, em tradução livre) não surpreenderão aqueles que forem às livrarias para saber o que levou Bush a declarar a guerra ao Iraque, como o furacão Katrina o afectou ou por que autorizou o uso das simulações de afogamento, técnica de tortura, no interrogatório a suspeitos de terrorismo.

 

Todas essas respostas foram já sobejamente exploradas numa extensa cobertura da Imprensa, ansiosos por trazer de volta à cena política o ex-presidente que encerrou o seu mandato com o índice de impopularidade mais alto da História moderna do país, de 76% (mas que aparece cada vez melhor ao longo do mandato do seu sucessor, o democrata Barack Obama, e a lenta recuperação económica).

 

Mas enquanto todos falam dos seus deslizes políticos, como aquele em que reconhece que pensou em se livrar do vice-presidente Dick Cheney na campanha pela reeleição em 2004, Bush quer afastar-se o máximo possível deles. Em entrevista a Oprah Winfrey que será transmitida amanhã, Bush afirmou que não é um cientista político e recusou comentar as eleições legislativas que levaram, na semana passada, o Partido Democrata perder a maioria na Câmara para o Partido Republicano.

 

O ex-presidente também prefere não criticar o sucessor, Barack Obama, a quem insiste em tratar da forma como ele próprio "gostaria de ter sido tratado". "Obama tem um trabalho muito difícil pela frente, acreditem", disse Bush, acrescentando: "Ele terá muitos críticos, e não precisa que eu seja um deles". Bush chegou até a elogiar o actual chefe de Estado, ao recordar que o seu carisma o impressionou antes das eleições de 2008.


publicidade

Arquivo do blogue

Fale com o autor

Sérgio Almeida: sergio@jn.pt