Blogues JN Redes
 

As nossas escolhas

Obras em

Destaque

Resultados por tag: Poesia

Ofício poético da luz

10

Maio

2011

Publicado por Sergio_Almeida às 18:21

 

Sérgio Almeida

 

A intermitência é o traço principal do poeta José Carlos de Vasconcelos, o eterno apaixonado pela palavra  que dirige o JL – Jornal de Artes, Letras e Ideias desde a sua fundação, já lá vão mais de 30 anos.

 

Não por oscilações criativas ou de qualidade, mas apenas pelos longos pousios que, por vezes, medeiam a publicação dos seus livros de poesia.

 

Embora tivesse apenas 19 anos quando viu serem publicados os primeiros poemas, nas décadas seguintes escreveu de forma esparsa, o que não beliscou, porém, a sua aceitação crítica.

 

Sobre os seus escritos, Mário Cláudio, por exemplo, declarou que "nunca (lhe) agradeceremos bastantemente a tenacidade de uma voz que vai colher a palavra poética à incandescência do coração, trazendo-a depois ao nosso convívio".

 

O mais recente livro de poemas do autor de O mar a mar a Póvoa destaca-se pelo tom cristalino e puro que preside a essa escrita.

 

Reflectindo sobre o próprio ofício da poesia, José Carlos de Vasconcelos não torna tais elucubrações num frio e desapaixonado jogo de palavras.

 

O gosto que o autor nutre pela arte poética não tarda a contagiar os que o lêem, seduzidos pelo modo caloroso e franco com que olha tudo o que nos cerca. "O nosso reino é de luz e deste mundo", sentencia.

 

TÍTULO: O sol das palavras

AUTOR: José Carlos de Vasconcelos

EDITOR: Modo de Ler

PREÇO: 11.50 euros

Um palco com a desmesura da existência

04

Abril

2011

Publicado por Sergio_Almeida às 18:52
Tags: ,
0 comentários

Sérgio Almeida 

 

Dois seres (Ele e Ela) dominam a acção de Um teatro às escuras, novo livro de poesia de Pedro Tamen que foi recentemente distinguido com o Prémio Correntes d’Escritas. Não estão sozinhos, todavia: a espaços intervêm também o Electricista, o Público, o Contra-regra, o Encenador e até o Compositor. Todos tacteiam no escuro em busca de respostas e de  luz, mas não vislumbram mais do que sombras deformadoras do real.

Se  foi no escuro que todos nasceram e é a ele que irão regressar quando tudo chegar ao fim, nem por isso se mostram menos temerosos, furtando-se a respostas comprometedoras. As palavras do Contra-Regra (afirmando que "não percebo o que faço, faço o que não percebo") poderiam ser extensivas aos restantes personagens, tal o seu estado de absoluto desconhecimento face ao mistério e magnitude da vida.

"Parados até que a luz nos veja", pressentem a existência de um outro mundo, para o qual se preparam em surdina, procurando afastar os pensamentos negros da mente sem o conseguir. Metáfora da própria existência, o palco onde se desenrola o livro excede em muito o seu espaço físico. Nele cabem, afinal, as contradições, sonhos, dúvidas e anseios de todos os seus intervenientes, seres em busca de quietude.

 

TÍTULO: Um teatro às escuras

AUTOR: Pedro Tamen

EDITOR: D. Quixote

PREÇO: 9 euros

Diálogos com o tempo

07

Fevereiro

2011

Publicado por Sergio_Almeida às 18:35
Tags: ,
0 comentários

Sérgio Almeida

 

Obcecada com os pós-modernismos e demais ismos, a poesia actual (a esmagadora maioria da poesia, para sermos mais exactos) esquece-se das origens. Por isso, preocupada como se revela com o presente, que se esgota no imediato sem que nos apercebamos, relega e desconsidera a herança literária, como se de uma curiosidade inútil se tratasse.

 

O resultado é uma desmemória que, embora acrescente uma suposta actualidade a estes escritos fortemente ancorados no quotidiano, apenas empobrece o seu conteúdo. Caminho inverso é o que percorre Catarina Nunes de Almeida no seu novo livro – o terceiro , que assume corajosamente como referências primordiais as cantigas de amor e de amigo. Todavia, a leveza e o ritmo que percorrem estes poemas não os aprisionam num passado remoto.

 

Pelo contrário. Estabelecendo um diálogo permanente entre o ontem e o presente, a autora de A Metamorfose da Planta dos Pés, cuja escrita límpida não descarta a influência de poetas como Eugénio de Andrade ou Sophia de Mello Breyner, assegura uma evidente transcendência que encontra na musicalidade extrema a maior virtude.

 

TÍTULO: Bailias

AUTOR: Catarina Nunes de Almeida

EDITOR: Deriva

PREÇO: 10 €


publicidade

Arquivo do blogue

Fale com o autor

Sérgio Almeida: sergio@jn.pt